Unesp 2018-2 prova discursiva resolvida

Unesp 2018-2 

01) O musgo Dawsonia superba pertence à classe Brydae e apresenta tecidos condutores especializados, conhecidos como hadroma e leptoma, responsáveis pela condução de seiva bruta e elaborada, respectivamente. Entretanto, esses organismos não são considerados plantas vasculares, pois as paredes das células do hadroma não apresentam lignina.
(www.criptogamas.ib.ufu.br. Adaptado.)

A) Relacione os dois tecidos que conduzem as seivas nas plantas vasculares com o hadroma e com o leptoma da espécie D. superba.

B) Cite uma vantagem da espécie D. superba em relação aos musgos que não apresentam hadroma e leptoma. Qual a importância da lignina para as plantas vasculares?

02) Pesquisadores chineses realizaram o seguinte experimento com cinomolgos (Macaca fascicularis), espécie de macacos do Sudeste Asiático: obtiveram fibroblastos (células do tecido conjuntivo) do feto de um macaco e, ao mesmo tempo, extraíram óvulos de uma macaca adulta e retiraram os núcleos desses óvulos. Cada óvulo anucleado foi fundido a uma célula de fibroblasto do feto. Uma substância foi injetada em cada célula reconstituída para reprogramar as moléculas de DNA do fibroblasto para retornarem ao estágio embrionário. Os embriões formados foram transferidos para uma macaca “mãe de aluguel”, que gestou os embriões. No fim do processo, dois filhotes nasceram.

(Reinaldo José Lopes. www.folha.uol.com.br, 24.01.2018. Adaptado.)

A) Como é denominada a técnica empregada no experimento citado? Os dois macacos gerados são geneticamente idênticos ao feto doador dos fibroblastos, à macaca doadora de óvulos ou à macaca que gestou os embriões?

B) Considerando todas as moléculas de DNA presentes nas células dos macacos gerados, por que eles apresentam moléculas de DNA originárias de diferentes macacos envolvidos no experimento?

03) Biólogos marinhos da Universidade da Califórnia observaram que as algas que se estabelecem próximas a corais das espécies Porites, Pocillopora e Montipora podem secretar polissacarídeos em excesso. Esses nutrientes alimentam microrganismos aeróbios que se proliferam rapidamente ao redor desses corais, levando-os à morte. No entanto, perceberam que os microrganismos não parasitavam os corais nem produziam substâncias danosas. Para entender esse fenômeno natural, os biólogos criaram corais em recipientes com e sem algas e descobriram que os corais sobreviviam bem quando as algas estavam ausentes, mas sofriam alta mortalidade quando elas estavam presentes. Em outro conjunto de recipientes, fizeram o mesmo experimento, mas trataram a água com antibiótico. O gráfico compara o efeito do antibiótico sobre os corais dos recipientes que também continham algas.

(Robert E. Ricklefs. A Economia da Natureza, 2010. Adaptado.)

A) A que Reino pertencem os microrganismos presentes no experimento? Cite a relação ecológica interespecífica direta entre as algas e os microrganismos.

B) Na situação analisada, como os microrganismos estavam causando a morte dos corais?

RESOLUÇÃO:
01) A) O hadroma é o correspondente do xilema (lenho) das plantas vasculares, enquanto o leptoma é o correspondente do floema (líber).
B) A vantagem da presença desses tecidos condutores no musgo Dawsonia superba é o transporte mais eficiente de seivas.
A lignina contribui para a sustentação mecânica da planta e evita o colapso das células condutoras do xilema durante a ascensão da seiva.

02)
A) A técnica realizada foi a clonagem reprodutiva. Os dois macacos gerados são idênticos ao doador de fibroblastos.

B) Porque o DNA mitocondrial é de origem exclusivamente materna (presente no óvulo). Assim, os macacos gerados apresentam DNA nuclear do animal doador de fibroblasto e DNA mitocondrial do animal doador de óvulo.

03)
A) Os micro-organismos presentes no experimento, provavelmente, são bactérias (são sensíveis à ação de antibióticos) e pertencem ao Reino Monera.
A relação ecológica interespecífica direta entre as algas e os micro-organismos favorece apenas os micro-organismos, podendo ser classificada como comensalismo.

B) Na situação descrita, os micro-organismos causam a morte dos corais devido ao consumo de O2 da água.

VEJA TAMBÉM:
Unicamp 2017 – segunda fase resolvida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *