UNESP 2022 – prova de biologia da área de biológicas resolvida

Resolução das questões de Biologia do Vestibular 2022 da Unesp – Área de Biológicas –

01)  As aranhas comem cobras pelo mundo inteiro, revela estudo surpreendente

Uma aranha consegue matar e comer uma cobra? Esta pergunta é o tema de um novo estudo publicado na Journal of Arachnology. A resposta é um grande “sim”. “As aranhas que comem cobras podem ser encontradas em todos os continentes (exceto no Antártico). Para compreender completamente o papel importante das aranhas no equilíbrio da natureza, é crucial compreender todo o espectro dos seus hábitos alimentares”, diz Martin Nyffeler, líder do estudo e especialista em aranhas da Universidade de Basileia, na Suíça.

(www.natgeo. Adaptado.)

A reportagem apresenta uma situação peculiar em uma teia alimentar, na qual as aranhas comem cobras, que por sua vez comem aranhas. Contudo, outros organismos integram essa teia alimentar, como exemplificado no esquema a seguir.

Considerando as informações do texto e a teia alimentar do esquema,

A) a biomassa obtida das plantas se mantém de maneira cíclica na teia alimentar.
B) os gafanhotos e os pássaros transferem para a teia parte da energia obtida dos produtores.
C) a maior quantidade de energia química transferida estará disponível nas aranhas.
D) toda biomassa obtida dos pássaros pelas cobras será transferida para as aranhas.
E) a energia flui de maneira cíclica e se mantém sem perdas entre as cobras e as aranhas.

02) Considere o trecho de uma reportagem sobre a recente crise hídrica em alguns estados brasileiros:
Cinco estados brasileiros, entre eles São Paulo, enfrentam o que já é considerada a pior seca em 91 anos, de acordo com um comitê de órgãos do governo federal, que emitiu pela primeira vez na história um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro de 2021. Mas por que tem chovido menos?
De acordo com especialistas, três fenômenos explicam a falta de chuvas no Brasil:

  • O desmatamento da Amazônia;
  • O aquecimento global causado por queima de combustíveis fósseis;
  • O fenômeno natural La Niña.

(https://g1.globo.com)

Sobre os fenômenos que explicam a falta de chuvas no Brasil, citados na reportagem, pode-se afirmar que
A) o aquecimento global acelera o ressecamento do solo nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, comprometendo o desenvolvimento da vegetação nas matas de galeria, as quais garantem o volume das águas dos córregos, que por evaporação levam à formação de nuvens na região.
B) o desmatamento da Amazônia expõe grandes áreas de solo antes cobertas por vegetação, o que resulta no escoamento superficial das águas das chuvas em direção aos rios e, consequentemente, em menor volume de água evaporada para a formação de nuvens, que seriam transportadas pelos ventos para as regiões Sudeste e Sul.
C) o aquecimento global acelera a evaporação de água dos oceanos, intensificando a formação de nuvens que se precipitam como fortes chuvas nas regiões litorâneas do Brasil, o que reduz o volume de massas úmidas que chegam ao interior do país, diminuindo a pluviosidade.
D) o desmatamento da Amazônia resulta em menor volume de água devolvida para a atmosfera pela transpiração das árvores, alterando a umidade trazida pelos ventos vindos da região Norte para as regiões Sudeste e Sul do Brasil, os quais levam à formação de nuvens de chuva nessas regiões.
E) o fenômeno La Niña resulta do resfriamento das águas do oceano Atlântico e da temperatura atmosférica média na região equatorial do Brasil, o que diminui a taxa de transpiração pelas árvores e a consequente formação de nuvens que chegariam às regiões Sudeste e Sul do país.

03) Considere o trecho de uma reportagem sobre a disponibilidade de métodos contraceptivos para a população.

Estudo: diversidade de métodos contraceptivos em postos ainda é baixa

A oferta de métodos contraceptivos e testes rápidos de gravidez aumentou em sete vezes de 2012 a 2018 nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), os “postinhos”, que aderiram ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade de Atenção Básica. A diversidade de métodos disponíveis, no entanto, ainda é baixa e está concentrada em preservativos femininos, com pouca oferta de dispositivos intrauterinos (DIU). No Brasil o único DIU disponível gratuitamente é o DIU de cobre. Esta baixa disponibilidade nas UBS impacta negativamente na diversidade de opções de escolha da mulher. “Os métodos reversíveis de longa duração como o DIU tendem a ser o método de escolha da maioria das mulheres quando as barreiras de acesso, custo e conhecimento são rompidas”, ressalta a médica Ana Ruivo, co-autora do estudo.

(www.uol.com.br. Adaptado.)

O hormônio detectado na urina, que indica resultado positivo para gravidez; o modo de ação do DIU e uma opção de método contraceptivo feminino reversível de longa duração são, respectivamente:
A) FSH (hormônio folículo estimulante) – alteração do ambiente uterino, tornando-o hostil aos espermatozoides ou à nidação – laqueadura tubária.
B) HCG (gonadotropina coriônica) – inibição da secreção de LH (hormônio luteinizante) e amadurecimento do óvulo no folículo ovariano – laqueadura tubária.
C) HCG (gonadotropina coriônica) – criação de uma barreira física que bloqueia a chegada dos espermatozoides ao útero – laqueadura tubária.
D) FSH (hormônio folículo estimulante) – criação de uma barreira física que bloqueia a chegada dos espermatozoides ao útero – implantação sob a pele de dispositivo plástico com liberação contínua de hormônios.
E) HCG (gonadotropina coriônica) – alteração do ambiente uterino, tornando-o hostil aos espermatozoides ou à nidação– implantação sob a pele de dispositivo plástico com liberação contínua de hormônios.

04) Descobri um mês depois do parto que minhas gêmeas têm síndrome de Down

Ainda no início da gestação, o casal Ellen e Willians foi surpreendido com a notícia: eram gêmeos idênticos (univitelinos), duas meninas. Um exame posterior ao parto surpreendeu novamente os pais: as duas crianças tinham síndrome de Down.
O nascimento das meninas é considerado um fato raro.
Isso porque estudos apontam que, aproximadamente, um a cada 700 ou 800 partos no Brasil é de uma criança com síndrome de Down. Especialistas acreditam que menos de 0,5% dos nascimentos de crianças com essa síndrome seja de gêmeos— desses, apenas um terço são univitelinos.

(www.bbc.com. Adaptado.)

A condição cromossômica das células somáticas das meninas é caracterizada como uma trissomia do cromossomo 21, uma aneuploidia resultante de eventos biológicos específicos.

Um desses eventos é
A) a não disjunção das cromátides-irmãs de um dos cromossomos 21 na meiose II da ovogênese.
B) a não disjunção dos cromossomos homólogos do par 21 na meiose II da espermatogênese.
C) a fertilização concomitante do óvulo por dois espermatozoides, cada um deles carregando um cromossomo 21.
D) a fusão do material genético do corpúsculo (glóbulo) polar ao núcleo haploide do óvulo, cada qual com um cromossomo 21.
E) a não disjunção dos cromossomos homólogos do par 21 na mitose seguinte à formação do zigoto.

05) Para obtenção de plantas transgênicas em laboratório, um dos vetores utilizados é um plasmídeo, chamado Ti, presente na bactéria do solo Agrobacterium tumefaciens. Os pesquisadores inserem nesse plasmídeo um segmento de DNA de uma espécie que tem o gene de interesse (DNA exógeno), e utilizam esse plasmídeo como vetor para inserir o gene de interesse no genoma da espécie vegetal que se deseja modificar.

Esse processo, de forma simplificada, está representado a seguir.

Na figura, as etapas em que ocorrem a indução da diferenciação celular, a aplicação das enzimas de restrição e a recombinação entre o gene de interesse e o DNA vegetal estão indicadas, respectivamente, pelos números
A) 3, 2 e 1.
B) 3, 1 e 2.
C) 1, 3 e 2.
D) 2, 1 e 3.
E) 1, 2 e 3.

06) A disposição e a distribuição dos estômatos nas folhas são adaptações das espécies vegetais aos ambientes onde ocorrem.
Os estômatos podem estar dispostos em ambas as faces da folha ou em apenas uma delas. Quando são encontrados nas duas faces, a folha é chamada de anfiestomática; quando são encontrados apenas na face abaxial (inferior), a folha é hipoestomática; e quando estão presentes apenas na face adaxial (superior), a folha é epiestomática.
A figura 1 apresenta a salvínia (Salvinia auriculata), uma planta aquática cujas folhas flutuam sobre as águas. A figura 2 apresenta um pequizeiro (Caryocar brasiliense), espécie vegetal arbórea de ambientes quentes e de baixa pluviosidade.
E a figura 3 apresenta exemplares de bromélia (Quesnelia testudo), espécie vegetal adaptada a ambientes úmidos e de alta pluviosidade.

As figuras que representam as espécies anfiestomática, hipoestomática e epiestomática estão corretamente relacionadas a seus respectivos biomas em:
A) 3 – Caatinga, 1 – Pantanal e 2 – Cerrado.
B) 1 – Amazônia, 2 – Cerrado e 3 – Mata Atlântica.
C) 3 – Mata Atlântica, 2 – Cerrado e 1 – Pantanal.
D) 1 – Pantanal, 3 – Amazônia e 2 – Caatinga.
E) 2 – Amazônia, 1 – Mata Atlântica e 3 – Caatinga.

07) A figura apresenta a radiografia da mão de uma menina portadora de polidactilia, uma anomalia genética que consiste na alteração quantitativa anormal dos dedos das mãos (quirodáctilos) ou dos pés (pododáctilos).

Na família dessa menina, seu pai e seus avós paternos são portadores da mesma característica, mas não sua tia e seu tio, únicos irmãos de seu pai. A mãe e o único irmão dessa menina não apresentam essa característica.
O tipo de herança dessa característica e a probabilidade de que os pais da menina tenham um terceiro filho do sexo biológico masculino e com polidactilia são:
A) autossômica dominante e 50%.
B) autossômica dominante e 25%.
C) ligada ao sexo dominante e 50%.
D) ligada ao sexo recessiva e 25%.
E) autossômica recessiva e 25%.

08)  Em um tubo contendo meio de cultura líquido, um pesquisador inoculou bactérias Escherichia coli para se multiplicarem. Ao final do dia, as bactérias haviam se multiplicado e consumido quase que totalmente a glicose que compunha o meio de cultura do tubo. O pesquisador retirou 10 amostras desse tubo e inoculou cada uma delas em outros 10 tubos, identificados pelos números de 1 a 10, que continham meio de cultura de composição idêntica àquele do início do experimento.
Ao final do segundo dia, o pesquisador retirou uma amostra de cada um desses 10 tubos e as inoculou, individualmente, em 10 novos tubos numerados, que continham meio de cultura igual ao do início do experimento, mantendo essa transferência sempre entre tubos de mesma numeração.
Esse procedimento foi repetido todos os dias, ao longo de 1 ano, como esquematizado na figura.

No último dia do experimento, as bactérias dos 10 tubos foram analisadas e o pesquisador verificou que alguns tubos continham bactérias com características bioquímicas bastante diferentes daquelas dos demais tubos, e diferentes daquelas das bactérias usadas no início do experimento.

Esse experimento evidencia a
A) convergência adaptativa, resultante da manutenção das características do ambiente em cada tubo, no caso o meio de cultura, ao longo de todas as gerações.
B) especiação simpátrica, uma vez que novas espécies bacterianas surgiram em um mesmo tubo, sem que entre elas houvesse isolamento geográfico.
C) deriva genética, que se caracteriza pelo aumento da frequência de características genéticas favoráveis às condições ambientais imperantes.
D) divergência genética, causada pelo favorecimento de mutações adaptativas não compartilhadas entre as populações bacterianas de tubos com números diferentes.
E) competição interespecífica, uma vez que as populações de alguns tubos se mostraram mais competitivas que outras pelos recursos do meio.

RESOLUÇÃO:
01) Em uma cadeia alimentar, a biomassa (de um modo geral) diminui. A energia, por sua vez, sempre decresce ao longo da cadeia alimentar; a maior quantidade de energia disponível encontra-se no nível dos produtores.
Enquanto a matéria apresenta comportamento cíclico, a energia tem sentido unidirecional (sempre produtores para decompositores) e decrescente.
Resp.: B

02) Com o desmatamento da Amazônia há uma redução na transpiração vegetal (eliminação de água na forma de vapor para a atmosfera) e, consequentemente, uma menor formação de nuvens de chuva que são levadas para as regiões Sudeste e Sul.
Resp.: D

03) O hormônio detectado na urina que indica a gravidez é o gonadotrofina coriônica (HCG), produzido pelo trofoblasto (que irá formar a placenta).
O DIU (Dispositivo IntraUterino) torna o ambiente uterino hostil aos espermatozoides, além de dificultar a nidação, caso a concepção tenha ocorrido.
Dentre os métodos contraceptivos reversíveis de longa duração, os implantes hormonais subcutâneos são uma boa opção.
Resp.: E

04) Durante a gametogênese, a não disjunção (não separação) das cromátides-irmãs do cromossomo 21 na meiose II leva à formação de gametas com 24 cromossomos, sendo esse evento mais comum na gametogênese. Se esse óvulo for fecundado por um espermatozoide normal, tem-se a formação de um zigoto com 47 cromossomos, sendo um cromossomo 21 a mais (portador de síndrome de Down).
Resp.: A

05) A diferenciação celular ocorre no momento em que há formação da planta completa (etapa 3). As enzimas de restrição (endonucleases) agem promovendo a ruptura da molécula de DNA (no caso o plasmídeo) para inserção do gene de interesse (etapa 1); a recombinação do gene de interesse com a célula vegetal está indicado na etapa 2.
Resp.: B

06) A figura 1 é de uma planta epiestomática, visto que se trata de uma planta aquática; essa disposição dos estômatos pode ser encontrada, por exemplo, em plantas do Pantanal, da Amazônia e até mesmo da Mata Atlântica.
A figura 2 indica uma planta hipoestomática, uma vez que se trata de uma espécie de ambientes quentes e de baixa pluviosidade. A presença de estômatos na face abaxial (inferior) é uma importante adaptação contra a perda excessiva de água (por transpiração). Essa adaptação pode ser encontrada, por exemplo, em plantas do Cerrado.
A figura 3 indica uma planta anfiestomática, visto que se trata de uma planta adaptada a ambientes quentes e alta pluviosidade como, por exemplo, na Mata Atlântica.
Resp.: C

07) Considerando os dados da questão, é possível montar o seguinte heredograma:

Pela análise do heredograma, conclui-se que se trata de uma doença autossômica dominante (pais afetados têm filhos normais ⇒ II.1 e II.2 ⇒ isso significa que os indivíduos I.1 e I.2 são heterozigotos).
Determinando a probabilidade de o casal II.3 x II.4 ter um filho (masculino) e com polidactilia:

Probabilidade de nascer uma criança com polidactilia = ½
P ( ♂) e com polidactilia = ½ x ½ = ¼
Resp.: B

08) O experimento evidencia uma divergência genética, em decorrência de mutações aleatórias que se mostraram vantajosas em relação à população original. Como as populações estavam isoladas, essas mutações não foram compartilhadas, o que levou à diferenciação de umas populações em relação às demais e à população original.
Resp.: D

VEJA TAMBÉM:
Unesp 2022 – prova de biologia das áreas de exatas e humanas resolvida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *